Spiga

Eclipse Parcial da Lua em 31 de dezembro de 2009

Eclipse lunar


Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Eclipse_lunar

Um eclipse lunar é um fenômeno celeste que ocorre quando a Lua penetra, totalmente ou parcialmente, no cone de sombra projetado pela Terra, em geral, sendo visível a olho nu. Isto ocorre sempre que o Sol, a Terra e a Lua se encontram próximos ou em perfeito alinhamento, estando a Terra no meio destes outros dois corpos.

Por isso o eclipse lunar só pode ocorrer quando coincidem a fase de Lua cheia e a passagem dela pelo seu nodo orbital. Este último evento também é responsável pelo tipo e duração do eclipse.


Fenômeno


Esquema mostrando a posição dos astros durante um eclipse lunar





Inclinação do plano da órbita lunar em relação ao plano da órbita terrestre.



O eclipse lunar ocorre sempre durante a fase da Lua cheia pois ela precisa estar atrás da Terra, do ponto de vista de um observador no Sol. Como o plano da órbita da Lua está inclinado 5° em relação ao plano da órbita que a Terra realiza ao redor do Sol, nem todas as fases de Lua cheia levam a ocorrência do eclipse.




Relação da passagem da lua pelos seus nodos e a ocorrência de eclipses lunares e solares.




O eclipse ocorre sempre que a fase de Lua cheia concide com a passagem da Lua pelo plano da órbita da Terra. Este ponto onde a órbita da Lua se encontra com o plano da órbita da Terra chama-se nodo orbital. O nodo pode ser classificado como ascendente ou descendente, de acordo com a direção que a lua cruza o plano.Ao contrário dos eclipses solares que são visíveis apenas em pequenas áreas da Terra, os eclipses lunares podem ser vistos em qualquer lugar da Terra em que seja noite no momento do eclipse.



Classificação


Tipos de eclipse de acordo com a passagem pelo nodo descendente. 2 descreve um eclipse penumbral, 3 um eclipse parcial e 4 um eclipse total




Os eclipses lunares podem ser classificados de acordo com a parte da Lua que é obscurecida pela sombra da Terra, e por qual parte da sombra da Terra ela está sendo obscurecida.

A sombra projetada pela Terra possui duas partes denominadas umbra e penumbra. A umbra é uma região em que não há iluminação direta do Sol e a penumbra é uma região em que apenas parte da iluminação é bloqueada.

Os eclipses penumbrais ocorrem quando a Lua entra na região de penumbra, o que na prática resulta numa variação do brilho da Lua que dificilmente é notada. Se a Lua entra inteiramente na região de penumbra ocorre o raro eclipse penumbral total que pode gerar um gradiente de luminosidade visível, estando a Lua mais escura na região que se aproxima mais da umbra.

Quando a Lua entra na região da umbra, podem ocorrer os eclipses lunares parcial e total. O eclipse parcial ocorre quando apenas parte da Lua é obscurecida pela sombra da Terra e o total, quando toda a face visível da Lua é obscurecida pela umbra. Este obscurecimento total pode durar até 107 minutos e é mais longo quando a Lua está próxima de seu apogeu, ou seja, quando sua distância da Terra é o maior possível.
Um último tipo de eclipse lunar raro é denominado eclipse horizontal. Ele ocorre quando o Sol e a Lua, em eclipse, estão visíveis ao mesmo tempo. Este tipo de eclipse só é visível quando o eclipse lunar ocorre perto do poente ou antes do nascente.



Aparência


Esquema demonstrando a variação de tons da Lua durante a fase de totalidade





Composição fotográfica mostrando todos os níveis de um eclipse lunar.A Lua não desaparece completamente na sombra da Terra, mesmo durante um eclipse total, podendo então, assumir uma coloração avermelhada ou alaranjada. Isto é conseqüência da refração e da dispersão da luz do Sol na atmosfera da Terra que desvia apenas certos comprimentos de onda para dentro da região da umbra.
Este fenômeno também é responsável pela coloração avermelhada que o céu assume durante o poente e o nascente. De fato se nós observássemos o eclipse a partir da Lua, nós veríamos o Sol se pondo atrás da Terra.



Escala de Danjon

O astrônomo André-Louis Danjon criou uma escala que veio a receber seu nome para classificar o obscurecimento durante um eclipse lunar. Esta escala vai de 0 a 4:



L=0: Eclipse muito escuro, a Lua se torna quase invisível durante a totalidade.

L=1: Eclipse escuro de cor acinzentada ou próximo do marrom.

L=2: Eclipse com cor vermelha. A sombra central é muito escura mas as bordas são mais claras.

L=3: Eclipse cor de tijolo. A borda da sombra é brilhante ou amarela.

=4: Eclipse muito brilhante com cor alaranjada. A borda da sombra é brilhante ou azul.
 
 
 

5 comentários:

  Anônimo

31 de dezembro de 2009 16:40

MUITO MUITO BEM EXPLICADO, OBRIGADO!!

  planetadobem

2 de janeiro de 2010 12:01

Oi
Recebi mais um selo e quero compartilhar com você pelo Excellent trabalho no blog.
Abraço
Feliz Ano Novo
Cleisson

  Diêgo Lôbo

10 de janeiro de 2010 19:22

Olá, Rodrigo, tudo bem?
Só agora fui perceber que você tinha deixado um comentário pra parceria lá no E esse tal Meio Ambiente?.
Já coloquei seu banner lá, passe pra pegar o meu nesse link http://essetalmeioambiente.wordpress.com/dicas/parcerias/
Ele sempre dá problemas, se não conseguir consertar, me avise.

Pena que física não é mais minha área... hehe
Abs

  Apogeu da Alienação

28 de janeiro de 2010 08:55

Tem um link pro seu blog lá no meu: Apogeu da Alienação - http://apogeudalienacao.blogspot.com/

  Rodrigo Alhadef

4 de fevereiro de 2010 15:57

Parceria ok!!!