Spiga

Foguete de plasma pode encurtar viagens no espaço

Foguete de plasma pode encurtar viagens no espaço


Se os experimentos derem certo, o projeto VASIMR, que usa energia elétrica em vez de química, poderá transportar astronautas a Marte em um mês e meio

por Redação Galileu

Uma viagem até Marte, com os foguetes químicos convencionais, levaria cerca de seis a nove meses para acontecer. Com o objetivo de encurtar essa jornada, um novo sistema, movido à energia elétrica gerada por plasma, está sendo desenvolvido e poderá um dia transportar astronautas ao planeta vermelho em 39 a 45 dias, de acordo com estudo divulgado pelo site Discovery News.

O novo foguete recebeu o nome de Variable Specific Impulse Magnetoplasma Rocket, ou VASIMR, e usa ondas de rádio para aquecer gases, como o hidrogênio, até que cheguem ao estado de plasma. Os campos magnéticos criados pelo sistema forçam a saída deste plasma aquecido para fora do foguete, produzindo o empuxo que move o foguete. Esta operação pode chegar a temperaturas até 20 vezes mais altas que a do Sol.
O responsável pela proeza é o físico Franklin Chang-Diaz. Ele saiu da Nasa em 2005, criou a Ad Astra Rocket Co., e passou a trabalhar em tempo integral no desenvolvimento do foguete. A empresa arrecadou milhões de dólares de investidores privados e, no ano passado, conseguiu operar com sucesso uma demonstração do VASIMR, em potência máxima, em uma câmara de vácuo.
Além de ser mais cômodo e de possibilitar novas descobertas com mais rapidez, o menor tempo de viagem reduziria a exposição dos astronautas à radiação cósmica e solar. Chang-Diaz e a Ad Astra planejam lançar a versão do VASIMR para vôo espacial em 2014. O foguete está, ainda, entre as várias propostas a serem avaliadas pela Nasa. Sendo selecionado, ele poderá voar em algum lugar do espaço por volta de 2017.


Original em http://revistagalileu.globo.com/Revista/Common/0,,EMI138407-17770,00.html

1 comentários:

  Jairo Grossi

22 de agosto de 2010 11:57

Muito interessante mesmo este assunto. Já havia lido sobre este revolucionário método de propulsão iônica, no final do ano passado, no excepcional site ETERNOS APRENDIZES (http://bit.ly/Kudki), que considero um dos melhores sobre astronomia, escrito em língua portuguesa. Fiquei empolgado com o tema, comentei no post do colega ROCA, e na época, lembro-me que ele me ajudou a aprender mais sobre estes fascinantes foguetes. Já que você também gosta destas coisas, Rodrigo, recomendo que dê uma expiada através do link que passei acima. Têm muitos dados técnicos que valem a pena serem comparados com os foguetes de propelentes químicos.
Abraço